Vestuário

Quadrilha

Comida Mineira

 

Práticas culturalistas, como, hábitos, utensílios, danças, ritmos, comidas típicas, vestuário, arquitetura, preparação da terra para o plantio, modos de sofrer, festejar, rezar, brigar, além da ecologia dos tipos regionais, entre outros, são elementos trans-subjetivos e componentes básicos do modo de viver de um povo.

Juntos formam, o Lebenswelt das populações, nas diversas atividades de seus indivíduos.

A aplicação de esquema de processamento apropriado revela um métier virtual, implícito no modo de viver e Lebenswelt da população.

Recorremos a ele, frequentemente. Por exemplo, ao operarmos abduções correntes, com as quais nos comunicamos na vida diária, tentando explicar e antever problemas e possibilidades.

Segundo E. Mach, na tentativa de dar ordem a fenômenos complexos, o cientista tece princípios, com ajuda de experimentos pensamentais audaciosos.

O elemento eferente mostra-se bem próximo à individualização habituada, sem a mobilidade característica, e impregnado pelo elemento aferente. Em seu processamento, o pensar não afasta-se da realidade, mesmo tratando de objetos abstratos. Isto viabiliza o pensar imaginativo, realista e lógico.

Segundo Einstein, a tarefa do físico é procurar leis elementares, aplicáveis em fenômenos da natureza, para formar um Weltbild. O método da física teórica exige a formação de princípios como fundamento de pressuposições genéricas. É necessário, porém, partir e desaguar na experiência. (Em “Mein Weltbild”, 2005, p. 145-146 ).

Hawking

Normalmente, este processamento é operado pela população, como prática cognitiva artesanal pré-científica.

Anúncios