1 –  Cada ação cria o próprio Frame of Reference. Igualmente, ações podem ser criadas em FR pré-determinado. Este aspecto, aparentemente banal, tem grande significação.

2 – Ações transcorrem no tempo-espaço. E irradiam-se concentricamente. Acontecem interferências construtivas e destrutivas.

3 – Ações são relativas ao seu FR simétricas, análogas, homologas ou assimétricas. O caos é definido como acentuado status de homologia ou assimetria. Tais definições permitem a operacionalidade do caos. O conhecimento de sua ordem e progresso. E sua utilização para a ordem e progresso.

4 – O tempo psicológico é criado e descrito pelo FR da ação. Desse modo, o conhecimento do FR pode “produzir tempo e espaço”.

A constante emissão e absorção de ações, formulável como interferência de ondas, e descritas pela formula de Schrödinger, descreve a passagem do tempo.

5 – O Tempo-espaço, como âmbito de ação e atividades, cria campo de possibilidades, onde a vida transcorre.

Desse modo, o Principio da Incerteza, característica micro e macrocósmica do Universo, descrita na formula de Heisenberg, é compreendido como quantidade de possibilidades no tempo-espaço.

6 – O futuro é produzido pela sequência e simultaneidade de ações. Assim é  tridimensional, como o tempo.

7 – A realidade é produto interativo. Percepção, consciência, modos e qualidade de vida são autocriações interativas.

8 – A complexidade da realidade é descrita e explicada pela característica, quantidade, diversidade e assimetria de Frames of Reference. Mais particularmente pela falta de operadores para transformar e integrar.

No SER é proposto um FR virtual que abrange todas as possibilidades reais e imaginarias de FR. Igualmente é proposto sistema de Quatro-Vetores (Four-Vectors), análogos aos da Teoria da Relatividade de Albert Einstein, todavia adaptados.

Decodificam em detalhes a estrutura do caos. E possibilitam propostas diversas de transformações.

9 – A consciência e utilização das ferramentas propostas no SER, transforma o caos em fonte de recursos sustentáveis para o desenvolvimento individual. E bem comum da população.

10 – Trata-se da emancipação da condição de refém do caos, na qual vivemos. E transformação de problemas em soluções.

Esta profunda transformação de nossa consciência e dialogo interior, produz novo modo de viver: O transcender sem transcendência.

11 – Systematic Enlightenment and Recivilization funciona como unidade métrica e FR orientativo (Condições Iniciais). Reúne e incrementa muitos FR possíveis e ativos em nossa sociedade e modo de viver.

Trata-se de um metier onde a criatividade pode produzir soluções para problemas de alta complexidade, aparentemente impossíveis de resolver.

Edson de Melo
25/11/2014